Image

Justiça suspendeu licitação do Legislativo para o aluguel de carros.
Câmara alega que contrato poderia economizar R$ 500 mil ao ano.

​Para cumprirem uma decisão judicial, os vereadores de Curitiba devem ficar a pé nos próximos dias. A licitação que escolheu a empresa que alugaria carros para o Legislativo municipal foi suspensa temporariamente pela 5ª Vara da Fazenda Pública. O pedido foi feito por uma das empresas que participou do certame. A determinação é em caráter liminar, até que o caso seja efetivamente julgado.

De acordo com a Câmara de Vereadores, a licitação foi feita para o fornecimento de 50 veículos, sendo 49 carros e uma van. Cada parlamentar tem direito a um carro, que deve ser usado para a representação política fora da Casa. Os vereadores que compõem a Mesa Diretora podem usar um segundo veículo. Já a presidência tem direito a um terceiro carro.

O processo pretendia economizar com o aluguel dos carros. A última empresa que fornecia os veículos, na mesma modalidade, cobrava cerca de R$ 1,65 milhão ao ano. O novo contrato, que já estava em vigor, custava aproximadamente R$ 500 mil a menos por ano.

A empresa que ingressou com o processo na Justiça alegou que vencedora não estava habilitada a participar da licitação. Já a Câmara de Vereadores defende que o processo está isento de problemas.

“A gente acredita que esse processo foi transparente, foi um processo correto e os questionamentos são vencíveis. Então, os vereadores, momentaneamente, estão sem carro. Mas a questão é que eles vão ter seu carro mais barato do que era usado antigamente”, defende o vereador Paulo Rink (PPS), que presidiu o processo de licitação. O parlamentar espera que o problema com a Justiça seja resolvido até o fim do recesso dos vereadores, durante este mês de julho.
 
Fonte: http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2015/07/decisao-judicial-sobre-licitacao-deixa-vereadores-de-curitiba-pe.html